Atendimento a pessoas com HIV/Aids no RS: Medicamentos são entregues

| |

Pessoas com HIV/Aids no RS tem maior concentração de remédios em Eldorado do Sul

O acesso ao tratamento e à manutenção da assistência a pessoas que vivem com HIV/Aids, Hepatites Virais, Infecções Sexualmente Transmissíveis e Tuberculose está sendo garantido pelo esforço conjunto entre a Secretaria da Saúde (SES) e os municípios atingidos pelas enchentes e deslizamentos no Rio Grande do Sul.

Atendimento a pessoas com HIV/Aids no RS

O atendimento a pessoas com HIV/Aids no RS não chegou a ser prejudicado diante do estado de calamidade pública no Estado. Isso porque a equipe técnica da Seção de Doenças de Condições Crônicas Transmissíveis, da SES, realiza contatos constantes com as Coordenarias Regionais de Saúde (CRS) e os municípios para atualizar a situação das Unidades Dispensadoras de Medicamentos Antirretrovirais. Isso inclui a verificação dos estoques baixos. Sendo assim, os medicamentos são enviados por via aérea ou terrestre em operações de urgência. 

Serviço Especializado (SAE) da Unidade Santa Marta

Além disso, em razão dos alagamentos em Porto Alegre, a SES disponibilizou as dependências do Ambulatório de Dermatologia Sanitária (ADS) (localizado na avenida João Pessoa) para a continuidade do Serviço Especializado (SAE) da Unidade Santa Marta, que fica no Centro Histórico, mas acabou afetada pelas enchentes. O serviço da unidade Santa Marta atende e fornece remédios, de modo gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), para cerca de 3.400 usuários.

Flexibilização das exigências

Com o propósito de facilitar a entrega dos itens, também foi emitida uma nota informativa, pela SES e pelo Ministério da Saúde, sobre a flexibilização das exigências para a dispensação de medicamentos e realização de exames. Estão sendo articuladas ainda estratégias para a entrega de medicamentos e testes diagnósticos de maneira alternativa e rápida para que não prejudique o acesso da população.

Demandas emergenciais de medicamentos

A estratégia da secretaria também envolve outras áreas técnicas – como o Departamento de Assistência Farmacêutica (Deaf) –, para demandas emergenciais de medicamentos, fórmula láctea para as crianças expostas ao HIV/HTLV e testes rápidos de HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Há também empenho para a disponibilização de preservativos externos e internos. 

Por sua vez, as notas informativas estão sendo elaboradas em parceria com as demais Políticas de Saúde da SES. Nelas constam orientações importantes para o uso de profilaxia pós-exposição, especialmente nas situações de violência.

Campanha de conscientização

Segundo a enfermeira do SUS, Nathalia Belletato, campanhas como o Dezembro Vermelho, conscientizam as pessoas da necessidade de se prevenirem, assim como também é de vital importância o atendimento que o Sistema Único de Saúde proporciona às pessoas que já convivem com a doença.

*Foto: Reprodução/https://br.freepik.com/fotos-gratis/fechar-a-mao-segurando-o-recipiente-de-comprimidos_22201865.htm#fromView=search&page=1&position=3&uuid=cd92613e-c802-4a97-bac4-1c9697e06372

Anterior

Empregos formais para 2024: Turismo no Brasil projeta 16% de crescimento