Capital da sustentabilidade do Brasil: Curitiba completa 331 anos

| |

Capital da sustentabilidade do Brasil, Curitiva avança na matriz verde e busca por novas energias

A energia renovável gerada pela luz solar que aquece os 8,6 mil painéis fotovoltaicosda Pirâmide de Curitiba, as sombras e a qualidade do ar vindas das 450 mil árvores plantadas desde 2019, dentro do programa 100 mil árvores, o avanço na matriz verde e a busca por novas energias fazem Curitiba chegar aos 331 anos como uma das cidades mais sustentáveis do Brasil. Na sexta-feira, dia 29 de março, os curitibanos e as pessoas que escolheram a capital paranaense para viver tiveram muitos motivos para comemorar.

Vale lembrar que Curitiba sediou o primeiro escritório zero carbono do Brasil, conseguindo zerar emissões a partir de energia solar, que supre 100% de sua demanda energética.

Capital da sustentabilidade do Brasil

A capital da sustentabilidade do Brasil preza pela qualidade de vida, e conta com 50 parques e bosques para passear, se exercitar e ter bons momentos em família e com os amigos. Há também as ações do programa Amigo dos Rios, a busca pela eletrificação do transporte público, as hortas urbanas e a polinização feita pelos Jardins de Mel são alguns dos exemplos que fazem Curitiba ser referência em sustentabilidade ambiental.

De acordo com o prefeito Rafael Greca:

“É um orgulho viver em uma cidade que preserva o meio ambiente, que cuida do futuro. Vamos chegar em julho à marca das 500 mil árvores plantadas, dentro de um desafio que teve início há cinco anos.”

Nos espaços com áreas verdes

Greca também adianta que esse ano a população ganhará novos espaços com áreas verdes. “Vamos inaugurar mais três parques em 2024. O Colina do Abranches, o Parque Manacá, no Cachoeira, e o Parque São Francisco de Assis, no Taboão, que inclusive receberá ainda este ano o tão aguardado Hospital Veterinário Municipal”, explicou.

Além disso, as ações de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas estão alinhadas ao compromisso da Prefeitura pelo zelo de Curitiba.

Áreas verdes

Atualmente, os moradores de Curitiba já contam com 50 espaços verdes que, somados a praças, jardinetes, eixos de animação e jardins ambientais, chegam a quase 13 milhões de metros quadrados de áreas preservadas. Tudo isso resulta em mais de 60 metros quadrados de área verde por habitante, quando o mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 12 metros quadrados por habitante.

Sobre isso, a secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Dias, explicou:

“Em Curitiba também incentivamos a criação das RPPNMs, as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal. As reservas particulares são um ato voluntário dos proprietários e significa que essas áreas serão preservadas para sempre. Curitiba é a cidade com maior número de RPPNMs do Brasil, isso é um grande orgulho. Isso ajuda a preservar a biodiversidade da cidade, não só a flora como também a fauna.”

Soluções para o calor

No período das ondas de calor, cada vez mais intensas e frequentes, as plantas podem servir de companheiras na busca por um clima mais agradável. Foi pensando nisso que o técnico de informática Arnaldo Medeiros foi até a Regional Pinheirinho garantir uma muda de árvore, dentro do programa 100 mil árvores, para plantar no quintal.

“As plantas ajudam a amenizar as temperaturas e como eu tenho muitos animais domésticos levei para plantar no quintal, para ficar mais agradável para eles”, explicou Medeiros.

Na última quarta-feira (27/3), a prefeitura fez as entregas nas ruas da Cidadania – foram distribuídas mais 10 mil mudas gratuitas – cada família pode levar até quatro espécies nativas diferentes, como ipês de diversas cores, e frutíferas, como pitanga e jabuticaba.

“É um projeto muito interessante, porque além de reflorestar a cidade, a população tem acesso às frutas e flores”, disse a professora Nilvane Cristina dos Santos, que participa pela primeira vez da ação. Ela levou mudas de jabuticabeira, ipê branco, angico e liquidâmbar.

Revolução solar

Já na sexta-feira, 29 de março, a Pirâmide Solar de Curitiba também completou um ano de vida, já garantindo a produção de 30% da energia consumida pelos prédios públicos da Prefeitura. Com isso, em um ano foi gerada uma economia de R$ 1,76 milhão, que podem ser revertidos em investimentos em outros setores da cidade.

Além da Pirâmide Solar, também fazem parte do programa Curitiba Mais Energia os painéis fotovoltaicos do Palácio 29 de Março (sede da Prefeitura), do Parque Barigui, da Fazenda Urbana do Cajuru, do Jardim Botânico, dos terminais do Boqueirão e Santa Cândida, que em breve serão inaugurados, e de 101 moradias populares do Cohab Solar.

Mudanças climáticas

As novas energias, grandes obras socioambientais e estímulo ao uso do transporte público são iniciativas da cidade que integram o Plano de Adaptação e Mitigação das Mudanças Climáticas de Curitiba (PlanClima) e que buscam recuperar o ambiente urbano, reduzir as emissões de gases e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Bairro Novo da Caximba

Maior projeto socioambiental da história recente de Curitiba, o Bairro Novo da Caximba está em construção, unindo moradias dignas, serviços públicos próximos dos moradores e recuperação de área degradada.

Estão em andamento na Vila 29 de Outubro as obras das etapas 1, 2, 3 e 4 do projeto que prevê reassentar 1.147 famílias e regularizar os domicílios de outras 546, organizando o território e permitindo a recuperação da área de preservação. No total, 1.693 famílias da Vila 29 de Outubro serão contempladas com o projeto.

Novo Inter 2 e BRT Norte-Sul

O aumento da capacidade e da velocidade da Linha Direta Inter 2 e a adequação e melhoria do itinerário do Ligeirão Leste-Oeste vão estimular que mais curitibanos usem nosso reconhecido sistema de transporte público e integram o Programa de Mobilidade Urbana Sustentável de Curitiba.

Reserva Hídrica do Futuro

Durante o Smart City Expo Curitiba 2024, um dos maiores eventos de inovação do mundo, o prefeito Rafael Greca assinou a Ordem de Serviço para as obras do marco inicial da Reserva Hídrica do Futuro (RHF). A intervenção vai transformar 300 mil m² de área de antigas cavas de produção de argila e areia às margens do Rio Iguaçu, no Umbará, em um parque com espaços de convivência, lazer e esporte.

Serão R$ 4,5 milhões investidos em estruturas urbanas e equipamentos públicos que vão ajudar a promover a preservação da região.

Vale destacar que a Reserva Hídrica do Futuro é um programa do governo municipal de resiliência e adaptação às mudanças climáticas. Prevê a interligação das antigas cavas de exploração de areia do Rio Iguaçu, que possuem potencial para formação de lagos de acumulação, para futura captação e uso da água.

Levantamentos preliminares indicam a capacidade de preservação de 43 bilhões de litros somente na área da RHF, dentro dos limites de Curitiba.

Família Folhas

Por fim, Curitiba se destaca na educação ambiental. Com a Família Folhas, a Prefeitura mantém várias ações e apresentações teatrais, além de campanhas publicitárias, que passam conceitos ambientais para curitibinhas e adultos. A separação correta do lixo e os cuidados com o meio ambiente estão entre as lições ensinadas.

*Foto: Reprodução/https://www.instagram.com/p/BgemMPcgGRD/

Anterior

HTLV em gestantes e crianças: Infecções são notificadas de modo compulsório